Notícia

Os E-sports são esportes de verdade?

30/11/2018

Esportes são praticados há centenas de anos, talvez há milênios segundo algumas fontes, mas a pergunta necessária para que este assunto se desenrole é, o que é considerado um esporte de fato?

O termo “Esporte” pode ser definido como um sistema ordenado de práticas corporais de relatividade complexidade que envolve atividades de competição institucionalmente regulamentada, que se fundamenta na superação de competidores ou de marcas e/ou resultados anteriores estabelecidos pelo próprio esportista (GENERALITAT DE CATALUNYA, 1991). Ainda dentro deste comprendimento, é importante ressaltar que existem duas categorias de esporte, a primeira são os Esportes de alto rendimento, dos quais os atletas buscam o ápice do rendimento naquela modalidade determinada, tentando ao máximo bater recordes e se aperfeiçoarem cada vez mais, enquanto existe uma segunda que se chama Esportes de recreação, onde a ideia central não é o alcance de recordes nem nada do gênero, e sim a interação com as outras pessoas e o bem-estar de todos. Vale ressaltar que qualquer esporte pode se enquadrar dentro destas duas categorias, dependendo apenas dos praticantes em questão.

Computador aberto com um monitor passando jogo

Tendo todas as informações como base, é necessário entender primeiro então, o que é considerado um “E-sport”. Esta categoria abrange jogos digitais, antes esportes eram feitos apenas de maneira física, onde o atleta tinha o seu próprio desempenho contra outros atletas individual ou coletivamente, nesta nova modalidade de esporte, os atletas utilizam de meios digitais para competir entre sí, buscando a maior performance possível e o aprimoramento de estratégias e afins. O grande preconceito com esta nova modalidade de esportes, é justamente pelos atletas treinarem e competirem em frente ao computador, ou console, quando antes os esportes eram praticados utilizando o próprio corpo e em sua maior parte também se exercitando. A grande recusa inicial dos atletas de modalidades mais físicas e até de um público que se acostumou a acompanhar atletas de diversas modalidades ao decorrer das décadas é compreensível, já que é algo completamente novo e diferente, e sempre criou-se o conceito de que jogos digitais eram apenas pare recreação, e de que na maioria das vezes, os pais ou responsáveis não deixavam que seus pupilos ficassem muito tempo na frente da tela, justamente por que “fazia mal”, então houve toda uma quebra de paradigma interessantíssima com esta nova modalidade. Então em suma sim, com toda a certeza é possível considerar os jogadores como atletas, ou melhor “cyber-atletas”, mas particularmente, tenho alguns pontos a serem levantados.

Mulher correndo

Os anos 2000 trouxeram muitas coisas novas, mas o que é mais notável é de que nas últimas duas décadas a tecnologia avançou em um ritmo onde antes talvez o que foi alcançado em 18 anos fosse alcançado em 50, e por isso, a mentalidade das gerações também mudou bastante e com isso a percepção do mundo e de como as coisas funcionam.

O sonho de qualquer criança que gosta de videogame é de que ela possa ganhar dinheiro com isso, eu mesmo tinha o sonho de trabalhar nas famosas revistas de videogames, e fazer review dos jogos, analisando e dizendo as pessoas se valia a pena ou não jogar aqueles games, mas com a certeza de que se não fosse para desenvolver games ou analisar, eu jamais poderia ganhar dinheiro com a área, mas isso mudou bastante com o lançamento de alguns jogos no início dos anos 2000, StarCraft e Counter-Strike.

Capa de revista falando sobre o jogo Residente Evil
Capa de revista falando sobre o jogo Zelda

Estes jogos eles elevavam o nível da competição entre os jogadores, de maneira de que era notável a criação de uma maior estratégia para vencer, quando ambas as equipes que estavam disputando eram boas. É necessário de pontuar também, que na década de 80 e 90 já existiam sim campeonatos organizados pelas próprias empresas, como Nintendo e CAPCOM, onde as mesmas ofereciam prêmios aos jogadores por serem os melhores sem seus games, mas nada comparado a uma carreira, ou ser um atleta. Voltando, com estes games a percepção de que algo poderia ser diferente começou a se tornar cada vez visível, e começaram então a criar campeonatos dos mesmos, de início muito parecidos com os que também eram criados nas décadas de 80 e 90, porém, tomando cada vez mais formato de esporte, pois os jogadores formavam equipes, e por vezes treinavam por semanas, até meses antes de competir, com estratégias e afins, caracterizando aquilo cada vez mais como uma competição de verdade. No meio da década de 2000, os jogadores participavam de campeonatos cada vez mais lucrativos, e começaram a perceber então que era possível competir, e investir nestas modalidades, obviamente com muitos riscos e sem nenhuma garantia, mas para quem queria seguir um sonho, era mais do que o suficiente.

Logo do star craft
Logo do counter strike

Campeonatos ao redor do mundo dos games citados começaram a ser organizados juntamente de muitos outros que começaram a se juntar no bolo, como campeonatos de Street Fighter, PES (Pro Evolution Soccer, FIFA entre outros, trazendo premiações interessantes, estruturas gigantescas, e uma quantidade cada vez maior de equipes e do mundo inteiro, com isso os cyber-atletas começaram a surgir, dando forma aos E-sports como conhecemos nos dias de hoje.

Nos dias atuais, games como LOL (League of Legends), Dota 2, Counter Strike Global Offensive, e Overwatch trazem premiações milionárias para os jogadores, contando com equipes extremamente profissionais, com rotinas rígidas de treinamento, treinador, patrocínio, até mesmo programas de tv, cobrindo eventos milionários, com centenas, por vezes milhares de pessoas assistindo e torcendo. Para se ter ideia da magnitude do que está sendo abordado, o último prêmio do campeonato “The International” do game Dota 2, pagou US$ 10.000.000 de dólares para a equipe vencedora, cerca de 34-35 milhões de reais, algo muito acima do que muitos esportes já consagrados e centenários conseguem pagar para seus vencedores.

Imagem com vários jogadores

Para concluir o pensamento, é fundamental perceber que o mundo está mudando muito rápido e esta mudança vai continuar, a percepção de esporte está mudando e com muita razão, pois onde o público tiver interesse de assistir, consumir e propagar, e pessoas possam competir na modalidade, um esporte vai ser criado, por mais diferente ou até mesmo estranho que ele seja, e vamos ser sinceros, ser pago para jogar videogame, mesmo que de maneira profissional, e ainda por cima ganhar bem, deve ser bacana, né?!

Voltar